ESA transmite imagens de satélite em tempo quase real !


A Agência Espacial Europeia (ESA) tem ligado com êxito os Satélites Sentinel-1A e Alphasat, via laser, à transmissão de dados com quase 36,000 km (cerca de 22.400 milhas) de distância no espaço. A ligação permite a entrega de dados a Terra em tempo quase real, e irá ser utilizado para uma vasta gama de aplicações, incluindo a monitorização em tempo útil de desastres naturais.

O satélite Sentinela 1A, foi lançado em abril de 2014, e é o primeiro de uma frota que irá formar o “Copernicus”, que é um programa de monitoramento ambiental da ESA. Ele orbita de pólo a pólo a 700 km (435 milhas), e é projetado para fornecer dados essenciais para aplicações tais como alívio de desastres naturais, apoiando controle das fronteiras marítimas e até mesmo lutar contra a pirataria e tráfico de drogas.

A maior desvantagem para o sistema é sua dependência de transmissão de dados apenas quando ela passa sobre suas estações terrestres na Europa. A estrada de dados espacial, também conhecido como o Sistema Europeu de retransmissão de dados (EDRS), visa resolver este problema, transmitindo os dados para o Alphasat geoestacionário, o maior satélite de telecomunicações da Europa. O segundo satélite está constantemente em vista de sua estação de solo, o que significa que pode transmitir imagens de volta à Terra com apenas o mínimo de atraso. O link opera a 1,8 Gbit / s, e é projetado para ser escalado até 7,2 Gbit / s como os avanços do programa.
Neste momento, é preciso uma grande dose de trabalho e coordenação para alinhar os satélites para fazer a ligação do laser possível, mas o processo acabará por ser rotina e totalmente automatizado. Embora grande parte da largura de banda será utilizada pela ESA para os seus projectos de observação da Terra, que também irá fazer outras tarefas, tais como a vigilância dos oceanos, muito mais eficaz graças aos tempos de afinação mais rápido.

Ainda esta semana o Sentinel-1A tem sido usado para observar o vulcão do Fogo, que está em erupção em Cabo Verde desde 23 de novembro. O satélite tem vindo a utilizar o radar para rastrear o fluxo subterrâneo de lava, que identifica o movimento de rocha derretida para o superfície, com advertências previstas em conformidade.

Uma vez que o sistema EDRS esteja totalmente operacional, o processo de comunicação de dados será quase em tempo real, não importa onde no planeta o evento está ocorrendo, o que permite um controlo mais eficaz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: