Site Metrópoles descobre caixa 2 dos Bolsonaros! Será?

0

Matéria do Site Metrópoles apontando Caixa 2 do presidente jair Bolsonaro.

Parece mesmo que enquanto existe um senador que costuma entrar pelas portas da cozinha do Supremo Tribunal Federal para fazer fuxico, também chamadas de denuncias, para que o ministro plantonista acuse o presidente Jair Bolsonaro de qualquer coisa, desde que sirva para denegrir sua imagem, existe também agora, o Porta Voz oficial de noticias sem comprovação, que é o Site Metrópoles.

Depois de inventarem aquela mentira das compras de cento e cinquenta imóveis em dinheiro, pelo Clã dos Bolsonaros, o site esquerdista lança outra matéria carregada de informações sem fonte declarada, de que existia um chamado caixa dois de Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto.

Segundo o site, o ministro Alexandre de Morais investiga sigilosamente um personagem-chave que, por tudo o que se descobriu até agora e por sua estreita proximidade com Jair Bolsonaro, deixará o ex-presidente ainda mais encrencado.

OPINIÃO:

Vamos lembrar que em setembro do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro reclamou sobre o vazamento de informações sobre seu ajudante de ordens, o  tenente-coronel do Exército Mauro Cesar Barbosa Cid, e que com a quebra de sigilo telefônico e telemático do coronel Cid, o ministro Alexandre teria tido acesso a informações confidenciais do presidente da republica, e informações de segurança nacional. Temos que lembrar ainda que estas investigações ocorreram e ainda ocorrem, sem a autorização da Procuradoria Geral da Republica, único órgão capaz de oferecer denuncias contra um presidente da republica, e que usa o Ministério Publico Federal para investigar.

As informações do Site apontam descobertas que conectam o antigo gabinete de Jair Bolsonaro diretamente à mobilização de atos antidemocráticos, e lançam graves suspeitas sobre a existência de uma espécie de caixa 2 dentro do Palácio do Planalto, com dinheiro vivo proveniente, inclusive, de saques feitos a partir de cartões corporativos da Presidência e de quartéis das Forças Armadas.

O coronel Cid compartilhava da intimidade do então presidente Jair Bolsonaro, e além de acompanhá-lo em tempo quase integral, dentro e fora dos palácios, Cid era o guardião do telefone celular do presidente. Atendia ligações e respondia mensagens em nome dele. Também cuidava de tarefas do dia a dia da família, e pagar as contas era uma delas, e esse é um dos pontos mais sensíveis do caso, diz o site metrópoles.

OPNIÃO:

Em setembro do ano passado, depois de reclamar da quebra de sigilo indevido, o próprio presidente confirmou que sim, o coronel Cid executava estes trabalhos, até porquê ele como presidente não poderia ficar perdendo tempo para se dirigir ao banco para pagar uma conta pessoal, ou para comprar itens pessoais para ele ou para a primeira dama, e para isto existia um ajudante de ordens, como acontece em qualquer governo, com qualquer presidente.

Entre os achados dos policiais escalados para trabalhar com Alexandre de Moraes estão pagamentos, com dinheiro do tal caixa informal gerenciado pelo tenente-coronel, de faturas de um cartão de crédito emitido em nome de uma amiga do peito de Michelle Bolsonaro que era usado para custear despesas da ex-primeira-dama.

OPINIÃO:

Penso que sacar dinheiro do cartão corporativo, dentro do banco, por si só não caracteriza crime algum, desde que existam extratos e recibos de despesas que justifiquem a quantia resgatada. Obviamente que o presidente Jair Bolsonaro que em momento algum praticou atos de corrupção em toda sua carreira politica, não iria perder sua credibilidade com algo que obrigatoriamente teria que prestar contas posteriormente, principalmente com os três cartões corporativos dos quais os presidente possuem direito a ter.

Quanto ao cartão de crédito da primeira dama Michelle Bolsonaro, em nome da amiga Rosimary Cardoso Cordeiro, até que se prove o contrario, não pode ser considerado crime, já que elas se conhecem desde o tempo que Michelle ainda era solteira. Temos que lembrar que o atual presidente usufruía de um sítio em Atibaia, e de um apartamento Triplex, e as propriedades não pertenciam a ele, e sim de amigos, não é?

Em mensagens de texto e áudio, o tenente-coronel funcionava como elo entre Bolsonaro e vários dos radicais que há tempos vinham instigando a militância bolsonarista a atentar contra as instituições, diz o site Metrópoles. Há muitas evidências nesse sentido. Um dos contatos frequentes de Cid era com Allan dos Santos, o jornalista que vive nos Estados Unidos e em outubro de 2021 teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes.

Jair Bolsonaro terá sérias dificuldades para se desvencilhar, ele próprio, das provas que engolfam seu ex-ajudante de ordens. O material compromete os dois.

OPINIÃO:

A matéria do Site metrópoles é longa, e rica em detalhes. Tão rica que compromete a veracidade da informação, pois eles conseguem juntar num mesmo contexto, ações de anos atrás, com os atos do ultimo domingo dia 8, como se não soubéssemos que a intenção de toda esta movimentação, é sim usar contra o presidente Jair Messias Bolsonaro, e torna-lo inelegível, sem contar e decretação de sua prisão num inquérito inconstitucional, aberto, investigado, e julgado por um único juiz dentro do Supremo Tribunal Federal.

Não sabemos o que é pior, se a tirania deste ministro, ou a complacência do jornalismo brasileiro que a muito deixou de ser de qualidade, e se transformou em um editorial do STF.

FONTE: Metropoles

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: