A máfia do “carro-pipa” pode estar de volta!

0

Reportagem que mostra a tendência de volta da chamada Máfia do Carro-Pipa no nordeste brasileiro.

O governo federal praticamente paralisou em 2021 o programa Cisternas, conduzido pelo Ministério da Cidadania: foram construídos 4,3 mil equipamentos, o menor número desde a criação do programa, em 2003. Em relação a 2020, com 8.310, o total do ano passado é 48% mais baixo. Equipamento fundamental para convivência com as secas, a cisterna tem o apelido de “caixa d’água do sertão” por garantir a convivência do morador do semiárido com as longas estiagens. Sem elas, nos períodos sem chuva, os sertanejos são obrigados a se deslocar por grandes distâncias ou mesmo se mudar em busca de uma fonte de água.

*Este é o trecho de uma reportagem da UOL em 2 de fevereiro de 2022, que foi feita uma e exclusivamente com o intuito de denegrir o governo de Jair Messias Bolsonaro. Nesta matéria eles não se preocuparam em dizer o porquê da diminuição ou quase paralização do Programa Cisternas, já que o Projeto Transposição do Rio São Francisco já estava sendo retomada a todo vapor pelo governo do Mito.

De forma rasteira, a matéria do UOL dizia que o governo federal alegou que parou de fazer cisternas porque o preço dos equipamentos ficou mais caro nos últimos meses daquele período, e ainda não havia uma atualização de valores. Além da escassez de material de construção disponível no mercado, as entidades executoras das tecnologias sociais de acesso à água registraram preços até 100% superiores aos praticados no período anterior à pandemia.

Fato é que mais de 1 milhão de Cisternas foram construídas desde 2003 pelo Governo Federal com o Programa Cisterna criado naquele ano pelo governo do PT, que só beneficia às empresas que administram carros pipas. Vale lembrar que de 2019 até 2022, foram construídas apenas 43 mil, contra uma média anual de 67 mil cisternas construídas.

O governo de Jair Messias Bolsonaro preferiu então no dia 8 de fevereiro de 2022, inaugurar parte da Transposição do Rio São Francisco, obra iniciada desde 2007, que atravessou quatro governos que tratava com descaso a necessidade da obra, já que o sistema de entrega de água aos nordestinos beneficiava diretamente as empresas de carros pipa, muito delas pertencentes a políticos do nordeste ou de seus familiares, que muito lucravam com a sede do povo.

Com a inauguração da Transposição do Rio São Francisco pelo “Mito”, 390 municípios nos Estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará foram beneficiados de imediato.

*Porém hoje, a realidade parece estar mostrando que a volta das Cisternas parece ser uma realidade, já que algumas regiões já não estão mais recebendo agua do São Francisco ou do Velho Chico como é conhecido, isto porque algumas comportas já foram fechadas, interrompendo assim o fluxo da agua para algumas regiões do nordeste. Imagens e até vídeos espalhados pela internet mostram os canais recém-construídos, vazios sob o sol escaldante das regiões, o que certamente comprometerá a obra com rachaduras e destruição do sonho a “agua própria” do sertão.

O mesmo jornal UOL do ultimo dia 20 de janeiro, diz que é falso que o fluxo de agua foi interrompido, e que alguns trechos não recebem água, desde o ano passado por causa de serviços de manutenção, mas não há risco de desabastecimento para a população, segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional e a Secretaria de Recursos Hídricos do Ceará.

Aguardemos, pois o tempo dirá.

FONTE: UOL noticias

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: